Linguiça Calabresa, Pepperoni e salame Calabrês: Confira as diferenças

Você sabe a diferença entre a Linguiça calabresa, pepperoni, salame Calabrês e o ‘Nduja? Pois nós explicamos, confira!

Os embutidos foram produzidos porque havia necessidade de conservar as carnes numa época em que não havia congelador ou geladeira. As carnes (podem ser de diferentes animais) são processadas e, nelas, são acrescentadas condimentos e especiarias.

Você adora esse tipo de alimento? Então vamos saber mais sobre a diferença entre a linguiça calabresa, pepperoni, salame calabrês e ‘Nduja?

1. Linguiça Calabresa

Foto: Gilvane Lima da Silva, CC BY-SA 4.0 via Wikimedia Commons

Você sabia que a linguiça calabresa é uma criação brasileira?

Linguiça calabresa é um tipo de linguiça condimentada com pimenta calabresa. Foi criada no Brasil, mais especificamente no bairro paulistano do Bixiga, por imigrantes da Itália que se inspiraram em uma linguiça encontrada da Calábria (Salsiccia di Calabria). Essa linguiça é muito apreciada como cobertura para pizzas no Brasil.

No Brasil, a Instrução Normativa N.º 4/2000 do Ministério da Agricultura definiu a classificação em algumas variedades de linguiça, dentre as quais as calabresa. Tal norma a define como, feito exclusivamente de carne suína, curado, adicionado de ingredientes, devendo ter o sabor picante característico da pimenta calabresa submetidas ou não ao processo de estufagem ou similar para desidratação e ou cozimento, sendo o processo de defumação opcional”.

2. Pepperoni

Foto: By MOs810 – Own work, CC BY-SA 4.0, via Wikipedia Commons

Pepperoni é uma variedade americana de salame, feito de carne de porco curada e carne temperada com páprica ou outra pimenta.

Pepperoni é caracteristicamente macio, ligeiramente esfumaçado e de cor vermelha brilhante. O pepperoni em fatias finas é uma cobertura de pizza popular em pizzarias americanas.

O termo “pepperoni” é um empréstimo de peperoni, o plural de peperone, a palavra italiana para pimentão. O primeiro uso de “pepperoni” para se referir a salame data de 1919. Em italiano, a palavra peperoncino se refere a pimentas quentes e picantes.

Há semelhanças com o salame picante do sul da Itália em que se baseia, como ssalsiccia Napoletana piccante, uma salsicha seca picante de Nápoles, ou a soppressata da Calábria. As principais diferenças são que o pepperoni é menos picante, tem um grão mais fino de pimenta (semelhante  ao salame milanês), geralmente é de textura mais macia e geralmente é produzido com o uso de um invólucro artificial. A pimenta é produzida em massa na América para atender à demanda pela salsicha, que é frequentemente usada como cobertura de pizza.

O pepperoni americano é feito de carne de porco ou de uma mistura de carne de porco e carne bovina.A carne de peru também é comumente usada como substituto, mas o uso de aves no pepperoni deve ser rotulado adequadamente nos Estados Unidos.

A cura com nitratos ou nitritos (geralmente usados em agentes de cura modernos para proteger contra botulismo e outras formas de decaimento microbiológico) também contribui para a cor avermelhada da pepperoni, reagindo com heme na mioglobina dos componentes proteicos da carne.

Conforme as normas nacionais brasileiras, entende-se por pepperoni, o produto cárneo industrializado, elaborado de carnes suínas ou de carnes suínas e bovinas, toucinho, adicionado de ingredientes, com granulometria média entre 3 e 6 mm, embutido em envoltórios naturais ou artificiais, apimentado, curado, fermentado, maturado, dessecado por tempo indicado pelo processo de fabricação, defumado ou não.

3. Salame Calabrês

Foto: https://acarnequeomundoprefere.com.br/produtos/salame-tipo-calabres

Já o que chamamos de Salame calabresa ou calabrês, na realidade é na maior parte das vezes um simples salame com pimenta vermelha. Há ainda opções mais elaboradas com 3 tipos de pimentas: preta, vermelha e calabresa.

4. ‘Nduja

A ‘Nduja é um tipo particular de embutido de consistência macia e cremosa e de cor vermelho vivo devido à elevada concentração de pimenta. Uma especialidade inteiramente calabresa mas de origens pouco claras, como acontece com muitos pratos da cozinha camponesa. A tradição oral, como sabemos, é muitas vezes vaga e imprecisa e não deve ser surpresa se houver tantas histórias sobre seu nascimento e seu processo de fabricação. A única coisa certa é que é um produto que nasce da necessidade de não desperdiçar nada do porco.

Saiba mais sobre ‘Nduja no texto – ‘Nduja, o Salame da Calábria

Se há algo que distingue o ‘Nduja de todos os outros tipos são os seus ingredientes que o torna picante, provavelmente seu maior diferencial. Entre as variações italianas, é muito provável que nenhum outro possa levar alegria picante ao paladar ou uma lágrima nos olhos em homenagem às pessoas que vivem em Calábria, no sul da Itália.

Por isso para quem procura experiências mais quentes, o ‘Nduja é a melhor opção!

Sobre Deyse RibeiroEu sou Deyse Ribeiro, proprietária e editora do Portal Tour na Itália, especialista em turismo na Itália, onde vivo desde 2007. Depois de muito estudo, cursos e experiência no campo do turismo enogastronômico, decidi que queria apresentar a história por trás do prato, de uma forma diferente, através da memória histórica, o que fez chegar hoje nas nossas mesas, os “casos”, o trabalho, a cultura, e o amor pela culinária italiana. Pegue o seu garfo e vamos nessa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.